Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UNIFESSPA

2023
Descrição
  • ANDREZA XAVIER DE LIMA SOUSA
  • Vivências Femininas na política: fissuras provocadas e avanços na representação de gênero em Santa Luzia do Pará (1980-202)

  • Orientador : MARIA CLARA SALES CARNEIRO SAMPAIO
  • Data: 14/12/2023
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como tema as trajetórias políticas femininas em Santa Luzia do Pará, buscando compreender o papel do gênero e das mulheres na política local. As vozes analisadas são as de Lúcia Machado, Susana Saldanha, Vânia Blandtt, Joyce Sousa e Socorro Saldanha, mulheres que desafiaram padrões, articularam-se politicamente, conquistando espaços na esfera pública. As fontes utilizadas abrangem uma revisão bibliográfica, explorando áreas como estudos de gênero, história do tempo presente, história oral, memória e história de vida. Autores como Haraway, Scott, Butler, Crenshaw, Saffiotti, Alberti, Ferreira, Portelli, Ricoeur e outros contribuíram para uma compreensão mais aprofundada do campo de pesquisa. O objetivo central é explicar o processo de inserção das mulheres no âmbito público de Santa Luzia do Pará, focando nas eleições municipais, movimentos sociais, criação de associações e organização política na igreja. A pesquisa busca compreender o fortalecimento ou enfraquecimento da participação política das mulheres na construção democrática da cidade, contribuindo para uma análise contextualizada da participação feminina na política. Esta pesquisa destaca a importância de entender e valorizar as trajetórias políticas femininas como uma contribuição vital para a construção democrática. Ao examinar as experiências individuais dessas mulheres, o estudo oferece discussões sobre as complexidades das relações político-sociais de gênero no Brasil e na região. Além disso, ressalta a necessidade de uma participação mais ativa e engajada das mulheres no processo político, indo além da mera inclusão nos cargos políticos, de acordo com teorias de um feminismo anticapitalista, e enfatiza que os direitos não são alcançados individualmente, mas sim pensando no coletivo.

  • ISMAEL DA MOTA OLIVEIRA
  • A HISTÓRIA E AS PRÁTICAS CULTURAIS: RESSIGNIFICANDO EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA NA ALDEIA AKRÃTIKATÊJÊ DA TERRA INDÍGENA MÃE MARIA

  • Data: 30/11/2023
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa foi realizada no período de 2021 a 2023 e teve como objetivo, compreender de que forma a Educação Escolar Indígena tem sido implementada na Escola Estadual Indígena de Ensino Infantil, Fundamental e Médio (EEIEIFM) Rõnõre Kapêre Temejàkrekatê, e como ela tem sido uma norteadora para a manutenção das práticas culturais e da história do povo indígena Akrãtikatêjê. Além disso, buscamos problematizar a Educação Escolar Indígena enquanto espaço de valorização e de reafirmação da identidade do Povo Akrãtikatêjê. A aldeia Akrãtikatêjê está localizada na Terra Indígena Mãe Maria, município de Bom Jesus do Tocantins (PA), mais especificamente no Km 15 da BR 222. Nesta pesquisa mobilizamos um corpus documental constituído por escritos sobre a trajetória do povo Akrãtikatêjê e bibliografias sobre a Educação Escolar Indígena, Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola pesquisada, a legislação escolar indígena no contexto geral e parte da legislação estadual, bem como, relatos orais, produzidos por meio da metodologia da História Oral. Buscamos nesta investigação, perceber os desafios e avanços no tocante à manutenção da história e das práticas culturais no ambiente escolar do povo indígena Akrãtikatêjê e quais têm sido as estratégias adotadas pela comunidade/escola para assegurar a manutenção/fortalecimento da história e da cultural a partir dos componentes curriculares ministrados na escola Ronoré Kapêre Temejàkrekatê.

  • CARLA SILVEIRA MORAES
  • MEMÓRIA E ATUAÇÃO FEMININA NA PASTORAL DA JUVENTUDE DA DIOCESE DE MARABÁ (1990 – 2010)

  • Data: 30/08/2023
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa objetiva refletir sobre a atuação feminina na Pastoral da Juventude da Diocese de Marabá através das memórias e narrativas de três mulheres: Leticia Silva, Loide Silva e Geuza Morgado. Trata-se de uma primeira tentativa de discutir essa questão na região sul e sudeste do Pará, por isso mesmo sabemos que a discussão não será encerrada neste trabalho. Utilizamos a história oral como procedimento metodológico no intento de adensar a análise dos relatos das narradoras, compreendendo que as cotidianidades trazem importantes elementos para a história e vida em sociedade e através delas observamos que as mulheres são sujeitas históricas dotadas de conhecimentos que nos proporcionaram encontros de troca de conhecimento durante a realização das entrevistas. A Igreja Católica é um lugar de disputa de poder composta por perspectivas diversas, assim a participação feminina na Pastoral da Juventude tem passado por diversos desafios ao longo dos anos, mas as mulheres seguem lutando por seus espaços e construindo suas identidades dentro deste segmento da Igreja, ao mesmo tempo que constroem e transformam esse ambiente.

  • JACKELINE OLIVEIRA VIANA
  • A estrutura curricular dos cursos de Ensino Médio Integrado à Educação Profissional Técnica do IFPA/Campus Marabá Industrial entre os anos de 2015 a 2019: o componente de História na organização curricular

  • Data: 29/08/2023
  • Mostrar Resumo
  • A dissertação tem como objetivo analisar o componente curricular de História, através dos documentos institucionais que direcionam três cursos da modalidade de Ensino Médio Integrado à educação profissional do IFPA/Campus Marabá Industrial. Os documentos reunidos para essa pesquisa foram: leis, decretos, portarias, pareceres e resoluções que abordam a Educação Profissional no Brasil, bem como documentos institucionais do IFPA analisados por meio da metodologia de análise documental. Visou-se, com essa análise, identificar o espaço do componente curricular de História dentro das matrizes curriculares dos cursos integrados ao Ensino Médio de Informática, Eletromecânica e Controle Ambiental. Com as mudanças ocorridas no país nos últimos anos na área educacional, como a reformulação do Ensino Médio, o surgimento da Base Nacional Comum Curricular - BNCC e a atualização de algumas diretrizes, os Institutos Federais foram pressionados a se adaptarem às novas políticas educacionais. Dessa forma, houve mudanças curriculares: as disciplinas de formação geral perderam espaço e o componente de História foi uma das disciplinas que sofreu perda de carga horária. Para essa pesquisa, utilizamos a metodologia de pesquisa documental de natureza qualitativa com a intenção de aprofundar o conhecimento científico acerca do currículo escolar, especificamente as matrizes curriculares dos cursos do Ensino Técnico Integrado ao Ensino Médio. Os resultados mostraram que, com a determinação de atualização dos PPCs dos cursos, seguindo as novas diretrizes, no Câmpus Marabá Industrial, em dois cursos do Ensino Médio Integrado, o componente curricular de História perdeu espaço e carga horária nas matrizes curriculares, passando a compor junto com outras disciplinas novos componentes curriculares. 

  • ROSELLI SCHEIDEGGER OLIVEIRA
  • RELIGIÕES DE MATRIZES AFRICANAS NO COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA:
    A BNCC E A PRÁTICA DOCENTE (MARABÁ- PA, 2017-2019)
  • Data: 28/07/2023
  • Mostrar Resumo
  • As discussões e manifestações da intolerância religiosa nos contextos sociais contemporâneas têm sido alvo de debates sobre suas problemáticas em ambientes educacionais, sendo a escola um dos principais lugares onde se manifesta o racismo religioso. Nesse sentido, objetivamos na presente pesquisa, compreender como as religiões de matrizes africanas constam no componente de História da BNCC e como têm sido as práticas docentes no município de Marabá/PA, com recorte temporal para os anos de 2017 até 2019, direcionadas ao Ensino de História do segundo seguimento do ensino fundamental. Para o desenvolvimento da presente pesquisa foi necessário o embasamento em leituras científicas, o levantamento de dados, o mapeamento de documentos e a realização de entrevistas com professores da Rede Municipal de Ensino. Enquanto fontes históricas escritas, trouxemos a BNCC, as Diretrizes Curriculares Nacionais de Educação Básica (DCN) e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Outras fontes importantes para essa pesquisa foram as entrevistas realizadas com 4 (quatro) professores efetivos da rede pública de ensino de Marabá. Através de um roteiro semiestruturado com questões orientadoras para a abordagem, enfatizamos elementos da trajetória docente desses profissionais, intentando a compreender como discutiam a temática das religiões de matrizes africanas no componente de História em suas aulas. Percebemos que, em relação a temática da diversidade religiosa de matrizes africanas no componente de História, muitos são os desafios, uma vez que a BNCC trata de forma superficial a temática referida e a atuação docente quanto ao tema também sofre retaliações, dado o fato de a intolerância religiosa ser tão viva nos espaços pedagógicos. As reflexões abordadas sobre essa temática assumem uma importante relevância na educação, apontando a necessidade de revisão de documentos normativos, formação de professores e abordagens.

  • EWERTON ALAN CORREA DA SILVA
  • DIENE ELLEN: “A SANTINHA DA MARAMBAIA”

    RELIGIOSIDADE POPULAR E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIOCULTURAIS EM BELÉM DO PARÁ

  • Data: 02/06/2023
  • Mostrar Resumo
  • Esta proposta pretende discutir e analisar o processo de construção da santidade e devoção popular à criança Diene Ellen dos Reis, popularmente conhecida como “a santinha da Maram-baia”, assassinada às vésperas do Dia de Finados do ano de 1973. Essa manifestação religiosa se iniciou no cemitério São Jorge, localizado no bairro da Marambaia - Belém do Pará - Brasil, ainda em seu sepultamento no dia 9 de novembro de 1973, sendo essa devoção presente desde essa época. No contexto cultural amazônico, este trabalho pretende refletir: quais representa-ções podem ser abordadas pela religiosidade popular? Quais as importâncias que têm as práti-cas de ex-votos? Que tipo de memória individual e coletiva pode ser estabelecida ao túmulo da criança Diene pelos moradores do bairro da Marambaia em Belém do Pará? Quais debates podem ser estabelecidos e relacionados às discussões historiográficas contemporâneas? Bus-camos investigar o universo religioso em torno da figura de Diene, com a finalidade de perce-ber o alcance e a compreensão cultural das devoções "não eclesiais", sua representação socio-cultural e suas singularidades que acreditamos serem importantes para debates historiográficos em contextos amazônicos.

  • RENATA BELZ KRUGER
  • CIDADE, MEMÓRIA E NARRATIVAS DA COLONIZAÇÃO DA TRANSAMAZÔNICA: O CASO DE BRASIL NOVO – PA

  • Data: 25/04/2023
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho aborda o processo de colonização da Amazônia brasileira, especialmente na década de 1970, tomando como referência o caso da agrópolis de Brasil Novo - PA, município lindeiro à Transamazônica. O objetivo é discutir as produções do dispositivo político da ditadura militar, especialmente a partir da análise de documentos e das memórias dos colonos. O processo de colonização da Amazônia é um tema amplo e complexo que configura um lugar de disputas de narrativas. No capítulo 1 é realizada a investigação sobre a colonização da Amazônia durante o governo militar, especificamente do território da Transamazônica, a partir da análise de materiais documentais e imagéticos dos elementos mobilizados pelo governo para colonização da área entendidos como produções do dispositivo político militar, com base nas contribuições de Foucault (1979; 2008), Agambem (2005) e Lisbôa (2014; 2019; 2021a; 2021b, 2022). Dentre esses elementos destacam-se o Programa de Integração Nacional (PIN), as materialidades midiáticas vinculadas na revista Manchete e por órgãos oficiais do governo militar e ao modelo de Urbanismo Rural adotado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) no projeto de colonização dirigida no trecho da Transamazônica entre Marabá e Itaituba no estado do Pará. É tratado no capítulo como tais elementos guardam aproximações com a colonialidade, conceito compreendido a partir de Maldonado-Torres (2018). Esse trabalho se utiliza da História oral enquanto metodologia de pesquisa apoiado sobretudo em Guimarães Neto (1986), Delgado (2000; 2010), Alberti (2004), Ferreira (2012) e Portelli (1997; 2016). O capítulo 2 se encarrega da descrição da trajetória da pesquisa com a História oral e de dar sustentação às reflexões empreendidas na análise dos relatos orais do capítulo seguinte. No capítulo 3 são abordadas reflexões sobre as subjetividades produzidas nos sujeitos diante das imposições da ditadura militar a partir de relatos orais de pessoas que participaram do projeto de colonização dirigida pelo governo militar enquanto migrantes trabalhadores oriundos, em sua maioria, do estado do Rio Grande do Norte, no Nordeste do Brasil. Através dos elementos do dispositivo político o governo militar reforçava o incentivo à colonização, criava o dever de ocupação e o heroísmo dos que “rasgavam” a floresta, e mantinha a iniciativa privada favorecida. Os relatos dos colonos sobre suas experiências permitiram que variadas dimensões fossem exploradas e que a experiência da colonização fosse pensada através de diferentes aspectos, de forma que muitos dos temas abordados tem conexões e implicações marcantes na contemporaneidade.

  • KARINI GORETH RIKPARTI PARKREKAPARE
  • PỲT MẼ KAXÊRE (SOL E LUA) E HÁKTI MẼ KUHÝ (GAVIÃO E FOGO): MITO E TRANSFORMAÇÃO HISTÓRICA ENTRE OS GAVIÃO

     

  • Data: 12/04/2023
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa analisa as formas de transmissão, elaboração e reelaboração construídas ao longo do tempo pelos narradores do povo Gavião no mito Pỳt mẽ Kaxêre (sol e lua) e Hákti mẽ Kuhý (gavião e fogo). Os mitos do “Sol e Lua” e “Gavião e Fogo” reportam, dentre outros, ao processo de criação do mundo, do surgimento das habilidades do povo Gavião e da tessitura da alteridade com outras sociedades indígenas e não indígenas. Nesse sentido, são acionados recorrentemente tanto para explicar o passado ancestral, as festas e as lutas pela sobrevivência no passado mais recente de contato com o mundo ocidental, como também são reelaborados a partir dos contatos e transformações históricas, tais como o deslocamento forçado para a Terra Indígena Mãe Maria, no sudeste do Pará, o impacto das práticas extrativistas predatórias, bem como a relação com os ditos empreendimentos da mineradora Vale S/A e Eletronorte. Desse modo, o narrar mítico nesta dissertação, trata não das versões ou traduções do mito em si, mas principalmente de como determinados narradores indígenas mobilizam no interior das condições históricas e culturais de contato um dos mais significativos predicativos do mito, que seria o seu aspecto transformacional. Ancorada nos aportes metodológicos da História Oral e na interface com a literatura antropológica, foram realizadas entrevistas com os mestres da cultura, lideranças e com alguns jovens. Os mitos se apresentam na voz dos narradores como chave de leitura para fortalecer as relações de resistência frente aos empreendimentos econômicos ocidentais, propõe estratégias para  dirimir as rivalidades internas entre as múltiplas aldeias e principalmente surpreende as pretensas apropriações da religião cristã que se faz presente nas inúmeras igrejas evangélicas, principalmente por englobar ensinamentos cristãos e passagens de textos bíblicos aos elementos próprios da mitológica Timbira.   

  • MELK ELOI DA SILVA
  • OPERAÇÕES MILITARES NA AMAZÔNIA ORIENTAL: violência e trauma no combate à Guerrilha do Araguaia

  • Data: 27/03/2023
  • Mostrar Resumo
  • Na década de 1970, as Forças Armadas brasileira realizaram operações militares na região oriental da Amazônia em combate a grupos de oposição ao Regime Militar, em um movimento que ficou conhecido como Guerrilha do Araguaia. A presente dissertação tem como objetivo analisar o modo como as ações militares ocorreram a partir das operações Mesopotâmia (1971) e Marajoara (1973). Esta análise se dá através dos documentos produzidos pelas Forças Armadas para a realização das operações. A Guerrilha do Araguaia foi um movimento revolucionário que tentou enfraquecer o sistema político nacional implantado pelos militares, por meio da luta armada de guerrilha, mas que na verdade se tornou o palco de uma onda de assassinatos, desaparecimentos, entre outras insurgências, movidas pelas Forças Armadas. Utilizando-se de análise documental dos relatórios de execução e planejamento das operações militares citadas, a pesquisa tem como pano de fundo a presença da repressão no território Araguaia-Tocantins. Como resultado, percebe-se graves violações de direitos humanos contra pessoas que moravam ou estavam no percurso das operações.

2022
Descrição
  • MELK ELOI DA SILVA
  • GUERRILHA DO ARAGUAIA (1971-1973):

    Narrativas e memórias em disputas

  • Data: 15/12/2022
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação tem como objetivo analisar informações, dados e documentos produzidos pelas Forças Armadas, em busca de vestígios de casos de graves violações de direitos humanos praticados na Guerrilha do Araguaia na década de 1970. A Guerrilha do Araguaia foi um movimento revolucionário que tentou enfraquecer o sistema político nacional implantado pelos miliares, por meio da luta armada, mas que na verdade se tornou o palco de uma onda de assassinatos, desaparecimentos, entre outras insurgências, movidas pelas Forças Armadas. Utilizando-se de análise documental dos relatórios de execução das operações militares, além de referências bibliográficas, a pesquisa tem como pano de fundo a presença da repressão no território Araguaia-Tocantins. Como resultado, percebe-se que as operações militares tentavam mascarar a dominação política de determinados grupos regionais, sobretudo com a presença do Exército como força de repressão a todos aqueles que eram contra a ‘soberania’, utilizando ainda as Forças Armadas como instrumento de inteligência e cooptação no enredo político-social da região.

     

  • JULIANA ALVES DE SOUZA
  • MULHERES INDÍGENAS E UNIVERSIDADE, SUAS PERSPECTIVAS, VIVÊNCIAS E NARRATIVAS SOBRE AS POLÍTICAS E PERMANÊNCIA - O CASO DA UNIFESSPA, 2014-2022

  • Data: 14/12/2022
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa é fruto de reflexões feitas em torno da presença feminina indígena na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Para – Unifesspa, onde percebe-se certas peculiaridades quanto à relação oriunda das ações afirmativas desenvolvidas na instituição. Com isso, pretendemos por meio desta pesquisa destacar o protagonismo feminino e indígena na universidade considerando suas narrativas, e dentro destes elementos compreendermos as formas de agenciamentos que estas mulheres vivenciam na Unifesspa, e também identificarmos diálogos entre Marabá, Unifesspa e a Terra indígena Mãe-Maria, considerando que esta representa uma maioria na instituição.

  • RAMON DE SOUZA CABRAL
  • A FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO NA CIDADE DE MARABÁ (PA), NO SÉCULO XXI: Educação Patrimonial no Ensino de História

  • Data: 14/12/2022
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação possibilita um estudo da Festa do Divino Espírito Santo e suas práticas culturais na cidade de Marabá (PA), problematizando o potencial patrimonial da Festa, e sua relação com as estratégias para ensinar a História Local. Demos enfoque à dois grupos do Divino: o Divino da Basilícia e o Divino do Raimundinho; escolhidos em virtude do tempo em atividade e do número de “personagens” na composição do “Império do Divino”, identificados no primeiro, e da juventude (tanto em termos de fundação quanto de composição do grupo de foliões), observados no segundo. Para a compreensão da ocorrência da Festa do Divino em Marabá, utilizamos como metodologias a Etnografia e a História Oral. Sob a perspectiva da História Cultural, a Festa foi abordada e analisada não como um passado estático, mas como algo que atende às demandas e representações de um grupo social no presente. Também colocamos em evidência o percurso de constituição da moderna noção de Patrimônio Cultural, e a forma como o patrimônio tem sido tratado no município de Marabá. Considerando o status de Patrimônio Imaterial do Município, conquistado pela Festa do Divino, nos debruçamos sobre os documentos das escolas municipais de ensino fundamental José Mendonça Vergolino e Profa. Judith Gomes Leitão, localizadas no Núcleo Velha Marabá. No percurso investigativo buscamos pela presença ou não da Festa do Divino entre as narrativas servidas nas aulas de História. Todavia, percebemos que a Festa não é abordada nas aulas de História ou em projetos desenvolvidos pelas escolas, de modo que os eventos os quais nos levaram
    até as duas unidades de ensino, se caracterizaram como ações pontuais. Percebemos também que nos Planos de Curso de Ensino Religioso e Estudos Amazônicos, contém alguns “objetos de conhecimento” os quais podemos considerar compatíveis com a Festa do Divino, no entanto são listados de forma tão genérica que deixa a cargo do professor decidir qual “patrimônio cultural”, parte da “diversidade cultural”, elemento da “formação identitária” ou parte da “história do lugar” deverá ser abordado. Avaliamos que a ausência desse tema nas aulas de história e nos projetos, pode estar associada ao fato de as escolas e a comunidade enxergarem a Festa do Divino muito mais sob a perspectiva da religião, que da história ou da cultura.

  • SERGIO RICARDO ALMEIDA DA HORA
  • FOTOGRAFIA PÚBLICA: Marabá (PA) por meio do acervo fotográfico do Arquivo Histórico Manoel Domingues (FCCM)

  • Data: 29/11/2022
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação tem como pano de fundo o cotidiano e a história de Marabá (PA) visto através das fotografias do Arquivo Histórico Manoel Domingues, localizado no espaço físico da Fundação Casa da Cultura de Marabá (FCCM), cujo objetivo foi analisar as fotografias pertencentes ao acervo fotográfico da instituição. Buscou-se entender sua ação como memória cultural, e, como essas imagens retratam, simbolizam e subjetivam particularidades da história e do cotidiano da cidade de Marabá (PA). A hipótese partiu do princípio de que as imagens fotográficas analisadas, do Arquivo Histórico Manoel Domingues, registram e atestam fragmentos da memória histórica e das práticas culturais da cidade de Marabá (PA). A pesquisa tornou-se significativa à sociedade, no sentido de que os acervos fotográficos narram a história e o cotidiano da cidade e da sociedade marabaense. Potencializando, portanto, o papel que a instituição tem na preservação do patrimônio histórico-cultural.  O procedimento metodológico se deu por uma pesquisa de método qualitativo. O contato com o acervo fotográfico nos surpreendeu positivamente, pela quantidade de significados que elas puderam nos fornecer, pelos personagens os quais foram se descobrindo pelas entrevistas. A investigação concretizou o encontro de fatos da ação dessas fotografias como memória cultural, e, como elas retrataram, simbolizaram e subjetivaram particularidades da história e do cotidiano da cidade de Marabá (PA). As fotografias possibilitaram revelar uma gama vivências cotidianas da população marabaense. Com os resultados obtidos, percebemos a necessidade de dar continuidade ao estudo, realizando levantamento, inventariando documentos imagéticos e lançando nosso olhar sobre tantos outros acervos custodiados pelo Arquivo Histórico Manoel Domingues, relativo a outros fundos. A expectativa é que esta pesquisa alcance uma relevância social e sirva como um aporte de contribuição na preservação da memória cultural da cidade de Marabá (PA).

  • LIZANDRA JULIA SILVA CRUZ
  • LUGARES DISTINTOS, IDEIAS CONVERGENTES: O ABOLICIONISMO EM NOTÍCIAS CIRCULANTES NA IMPRENSA GRÃO- PARAENSE E O POTENCIAL SIMBÓLICO DE LUIZ GAMA

  • Data: 13/10/2022
  • Mostrar Resumo
  • A partir da segunda metade do seculo XIX é possivel perceber um crescente movimento de buscas por liberdade cativa por todo o império brasileiro. Diversas ferramentas foram forjadas e utilizadas para que a abolição fosse alcançada pelas diferentes províncias que o constituiam e, nesse mister, a crescente influência da imprensa no cenário nacional tornou-se fundamental para a abolição do elemento servil. Assim, o presente estudo realiza um exame analítico através de periódicos que circulavam nas províncias grão-paraense e, em menor medida, na província cearense apontando para alguns contornos dos movimentos pela abolição através dos ideais de liberdade que transitavam pelo império, bem como, a representação e mobilização da figura de Luiz Gama nesses espaços de atuação. Nossas análises nos colocaram diante de diversos excertos jornalísticos que nos ajudaram a definir os contornos que a busca pela liberdade na província grão-paraense tomou entre os anos de 1870 a 1888, de igual modo, nossa preocupação acadêmica também virou-se para a busca pela representação e evocação a memória de Luiz Gama enquanto um representante/potencial simbólico de um abolicionismo que transitou entre os meios legais, a própria imprensa (já mencionada) e defesa de decisões mais enérgicas quanto a abolição do elemento servil. Desse modo, temos na construção desta pesquisa uma linha de análise que julgamos necessária para compressão de nossas hipóteses, qual seja, a apresentação da historiografia pertinente ao tema, análise de fontes jornalísticas que nos ajudam a perceber as nuances da escravidão e das bases constitutivas da abolição, com especial destaque para as províncias do Grão-Pará e Ceará e, como aspecto especifico de nossas análises, a representação e mobilização do potencial simbólico da figura de Luiz Gama nesses dois territórios.

  • ALAN BIZERRA MARTINS
  • A CULTURA AFRO-BRASILEIRA NO LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA: uma análise da coleção “História Sociedade & Cidadania” em diferentes edições (2008/2020)
  • Data: 26/09/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem objetivo investigar como as narrativas didáticas sobre a temática da História e Cultura Afro-Brasileira estão abordadas nos livros didáticos da coleção História Sociedade & Cidadania, aprovados pelo Programa Nacional do Livro Didático entre anos de 2008 a 2020. Como referencial teórico, trabalhamos a partir dos estudos de Roger Chartier (2011), com o conceito de representação e o Mikhail Bakhtin (2014) com conceito de Discurso. O corpus documental que mobilizamos é composto pelos livros didáticos de História da coleção História Sociedade & Cidadania; as legislações referentes ao tema, em especial a Lei. n.º 10.639/03 que estabelece a obrigatoriedade do ensino História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, as Diretrizes e Bases da Educação Nacional-LDB 9394/96, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e as Diretrizes Curriculares Nacionais de Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, além dos documentos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, os Editais e Guias do PNLD dos Anos Finais do Ensino Fundamental. Os resultados apontam que livros didáticos, apesar de abordarem a temática, realizam um silenciamento sobre a participação do negro e afrodescendente dos africanos na formação do país. Na maior parte dos capítulos, os conteúdos situam a participação do negro e afrodescendentes são vinculados à história da escravidão, deixando de situar o protagonismo da população negra nas áreas sociais, econômicas e políticas da História do Brasil.

  • MARIA RAIMUNDA SANTANA FONTE
  • ENSINO DE HISTÓRIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Políticas e ações de implementação da Lei Federal 10.639/03 (Marabá/PA, 2003 a 2019)

  • Data: 01/09/2022
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa apresenta projetos e ações realizadas pela Secretaria de Educação Municipal de Marabá – PA referente a implementação da Lei Federal 10.639 entre os anos de 2003 a 2019, no ensino de História, especialmente no que diz respeito ao seguimento descrito como Ensino Fundamental II. A referida investigação foi realizada por meio de análise de documentos escritos (produzidos pela Secretaria Municipal de Educação) e orais (entrevistas e conversas informais). No que se refere aos documentos, analisamos as Propostas Curriculares do município (de 2006 e a de 2019, PME, Resumo do Histórico de Formação, projeto, relatórios, pasta/arquivo, cadernos de registro referente ao NUPED, pautas e relatórios de formação e gestão produzidos pela equipe de formação/Secretaria de Educação). Ao refletir acerca da responsabilidade do município/SEMED no processo de execução da Lei Federal 10.639, verificamos que o mesmo não demonstrou concretamente compromisso em implementa-la. O município não criou nenhum dispositivo/política que garantisse a sua aplicabilidade. No entanto, foram realizadas atividades através das formações de professores de História, ou seja, os/as professores/as formadores realizaram discussões, seminários, palestras incluindo professores universitários, liderança de movimento negro, entre outros. Em relação às Propostas Curriculares de 2006 e 2019, a legislação pertinente ao debate aparece apenas nesta última, ainda assim, sem a devida profundidade.

  • POLICLEITON RODRIGUES CARDOSO
  • SODOMITAS DO GRÃO-PARÁ NOS CÁRCERES DA INQUISIÇÃO PORTUGUESA: UM OLHAR SOBRE OS PROCESSOS DE FREI LUCAS DE SOUSA E SEUS AMANTES NA BELÉM DO SÉCULO XVII

  • Data: 26/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação discute acerca do delito de sodomia a partir dos
    processos de Frei Lucas de Sousa, um religioso do Convento de Nossa Senhora das
    Mercês de Belém, e de Salvador Rodrigues, barbeiro na mesma cidade. O espaço
    analisado concentra-se no Estado do Maranhão e Grão-Pará, local em que a maior parte
    das experiências sexuais do mercedário ocorreram; para além, também é o espaço em
    que o sumário de culpas foi preparado com as acusações de sodomia contra o religioso.
    As análises acerca dos casos de sodomia praticados por Frei Lucas de Sousa
    concentrou-se desde a primeira citação ao nome do religioso, ainda em Portugal, no ano
    de 1658; até o último processo que o fora envolvido, o de Salvador Rodrigues em 1662.
    Portanto, os processos que abrangem o religioso são da segunda metade do século XVII.
    O estudo acerca da perseguição aos sodomitas abrangeu documentos da época, desde
    Ordenações do Reino até Regimentos Inquisitoriais que buscaram delinear as formas de
    proceder contra aqueles que efetuassem o “nefando pecado de sodomia” nos domínios
    portugueses. A fim de contemplar o espaço amazônica foi debatido a Amazônia
    Colonial a partir da historiografia pertinente, demonstrando como o século XVII foi
    fundamental no processo de conquista, ocupação e evangelização; e como a presença de
    religiosos, como Frei Lucas de Sousa, foram determinantes para um arranjo social
    amazônico. Nesse sentido, a dissertação buscou demonstrar como a Inquisição atuou no 

    casos de sodomia na Amazônia do século XVII, analisando casos de sodomia presente
    nos processos de Frei Lucas de Sousa e Salvador Rodrigues.

  • JAIR MAURO DINIZ NERIS
  • O movimento de libertação dos presos, padres e posseiros do Araguaia - MLPA: das origens do conflito do Cajueiro, ao ecoar dos eventos fundiários na Amazônia paraense.

  • Data: 25/08/2022
  • Mostrar Resumo
  • O projeto de pesquisa O movimento de libertação dos presos do Araguaia, dos antecedentes do Conflito do Cajueiro, ao ecoar dos eventos fundiários da Amazônia paraense. (1980-1984), tem o objetivo de analisar os conflitos agrários na Amazônia na década de 1980, tendo como foco de análise a localidade de Cajueiro, área do município de São Geraldo do Araguaia (sudeste do Pará), na qual os conflitos pela posse de terra tiveram uma considerável repercussão pelo envolvimentos nos mesmos de trabalhadores rurais, lideranças religiosas, fazendeiros e órgãos dos governos federal e estadual. As principais fontes a serem utilizadas para o desenvolvimento da pesquisa, além das leituras teóricas e historiográficas, serão as documentais, hemerográficas, imagéticas e fontes orais.

  • CLAUDIA VANESSA BRIOSO SANTOS
  • EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA E ENSINO DE HISTÓRIA NO PARÁ (XINGUARA, 1969-1983)

  • Data: 15/06/2022
  • Mostrar Resumo
  • A Educação foi palco de interesse e arena de diferentes disputas durante o governo militar (1964-1985). O Decreto-Lei nº 869, de 12 de setembro de1969, obrigou o ensino da disciplina Educação Moral e Cívica (EMC) em todos os níveis da educação brasileira. O presente texto apresenta os resultados parciais da pesquisa desenvolvida no Programa de Pós-graduação em História que se propõe a analisar como se deu o ensino de EMC na cidade de Xinguara, Pará, durante o período da ditadura militar brasileira. Para tanto, faz uso de variados documentos, como leis, decretos, Regimento Educacional, diários de classe de EMC e livro didático adotado na época. As reflexões construídas até o momento sinalizam que as questões ligadas ao ensino dos valores morais e cívicos fizeram parte das preocupações centrais de autoridades e órgãos responsáveis pela elaboração dos referidos documentos que se encarregavam de criar um conjunto de procedimentos legais para garantir a execução dos fundamentos atribuídos à disciplina EMC. Ao mesmo tempo, os diários de classe analisados mostram o universo dos registros da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Professor Acy de Barros Pereira sobre o planejamento didático, a seleção dos conteúdos, o sequenciamento dos temas estudados e a distribuição por bimestre letivo. Pelos registros, também foi possível compreender a configuração das turmas no que tange à composição de alunos por sexo, idade, rendimento escolar (em termos de aprovação ou não ao final do ano) e desistência.

  • LUIS LIMA DE SOUSA
  • HISTÓRIAS DE PARAUAPEBAS EM SALA DE AULA:  ensino de História Local e Amazônia nas escolas Chico Mendes II e Carlos Drummond entre 2014-2019

  • Data: 17/02/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem por objetivo compreender como a História local tem sido ensinada na disciplina de História, nas turmas do 6º ao 9º ano de duas escolas públicas do município de Parauapebas (PA) — Chico Mendes II e Carlos Drummond de Andrade — entre os anos de 2014 e 2019. As instituições de ensino escolhidas são duas das mais antigas do município. Neste trabalho, entendemos o ensino de História como um lugar de fronteira, enquanto tomamos a História local como uma importante metodologia para a pesquisa e um conteúdo relevante para o ensino na Educação Básica. Trabalhamos com fontes bibliográficas que nos permitiram estabelecer conexões entre Parauapebas (PA), o sudeste do Pará e a Amazônia Legal. O corpus documental que mobilizamos é composto pelas Rotinas Pedagógicas e os Conteúdos de História do 6º ao 9º ano, ambos elaborados pela Secretaria Municipal de Educação (Semed) com o fim de serem utilizados nas escolas públicas do Ensino Fundamental entre os anos 2014 e 2019; pelos Projetos Político-Pedagógicos (PPPs) das duas escolas; por entrevistas com três docentes e uma funcionária da Semed. Os resultados apontam a presença de conteúdos de História local entre as turmas citadas, com uma significativa concentração nas do 6º e 9º anos. O componente curricular de História dispõe de poucas aulas, considerando a quantidade de assuntos prevista no planejamento. Apesar dessa falta de disponibilidade de carga, nessas turmas, é possível assinalar tentativas de inserir discussões que envolvam a História local, relacionando-a com a Amazônia e os contextos mais amplos e gerais. Isso ocorre em vista da ausência de material didático elaborado para aulas de História local. Tal inserção é indicada nas referidas rotinas e nas entrevistas, o que aponta para formações elaboradas com esse propósito.

  • MARTA LIMA ALVES
  • “O RACISMO NÃO SILENCIARÁ NOSSOS TAMBORES”: O grupo Consciência Negra em Movimento, Marabá/PA (2011-2019)

  • Data: 28/01/2022
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho tem como objetivo primordial analisar a atuação do grupo Consciência Negra em Movimento (CNM), considerado pela sociedade marabaense como representante do Movimento Negro em Marabá/PA, em um recorte temporal que compreende os anos de 2011 a 2019, ou seja, a pesquisa priorizará os nove anos de história do CNM dentro da cidade marabaense. O grupo traz como principal bandeira de luta o combate ao racismo, à discriminação racial, à defesa e ressignificação da identidade negra e valores culturais ancestrais adjacentes, com uma manifestação mais abrangente principalmente no bairro Francisco Coelho e dentro de algumas escolas públicas e privadas de Marabá. Em busca de respostas aos questionamentos iniciais verificamos os documentos da Fundação Casa da Cultura de Marabá (FCCM) e daqueles disponibilizados pelos integrantes do próprio grupo. Com base nas fontes de pesquisa averiguamos nas narrativas sobre a história de Marabá uma forte violência com relação às minorias sociais e também a presença de um racismo estrutural, ajudando a compreender, em parte, o crescente aumento dos casos de racismo dentro da cidade, da discriminação racial, marginalização e invisibilidade de parte da população negra em Marabá.

  • OZIEL WASHINGTON DAVID MOREIRA
  •  O PERIÓDICO FEMINISTA FÊMEA (1992-2014): UMA PRODUÇÃO DO CENTRO FEMINISTA DE ESTUDOS E ASSESSORIA – CFEMEA


     


  • Data: 26/01/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo analisar o jornal feminista Fêmea, periódico publicado
    entre maio de 1992 e dezembro de 2014. Enviado de forma gratuita pelos Correios, ele
    circulou nacionalmente, seu principal objetivo era informar as organizações feministas e de
    mulheres a respeito das tramitações legislativas que ocorriam no Congresso Nacional e
    poderiam afetar seus direitos. O referido periódico foi uma produção do Centro Feminista de
    Estudos e Assessoria (CFEMEA), uma organização não-governamental feminista, sem fins
    lucrativos, fundada no ano de 1989, com sede em Brasília-DF. Ela integra a geração de
    organizações feministas que lutaram pelo processo de redemocratização do Brasil, propondo
    políticas públicas e leis que estão na origem do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher
    (CNDM). Além de discutir a respeito da atuação do Centro e o seu trabalho desenvolvido no
    Congresso Nacional, esta pesquisa, ancorada nos estudos feministas acerca da violência
    contra a mulher, debate a forma como o Fêmea abordava aquele assunto. Tal temática teve
    grande relevância em suas páginas, sendo a luta por legislações mais eficientes de proteção a
    mulher em situação de violência uma de suas principais pautas.

  • VERA LUCIA MARTINS DE LIMA ROSA
  • Entre silêncios, ações e práticas: a Lei Federal 10.639/2003 e o Ensino de História nas Escolas Estaduais de Ensino Médio em Itupiranga/PA (2017-2019)

  • Data: 18/01/2022
  • Mostrar Resumo
  • O presente texto apresenta resultados da pesquisa desenvolvida no âmbito de dissertação de mestrado. Neste trabalho buscamos compreender como duas escolas da rede estadual de ensino, localizadas no município de Itupiranga, estado do Pará, entre os anos de 2017 e 2019, desenvolveram ou não ações e estratégias para a implementação da Lei Federal 10.639/2003, compreendendo a persistência de um “silêncio” acerca das abordagens envolvendo a história e cultura afro-brasileira e africana tanto nos livros didáticos quanto em sala de aula. Os resultados apontaram que as duas escolas não possuem uma prática específica e efetiva para tratar das questões propostas pela Lei Federal 10.639/03 em seus projetos políticos pedagógicos, incluindo a formação de professores. Porém, as duas instituições de ensino promoviam, pelo menos de forma esporádica, eventos em alusão ao dia da Consciência Negra. Os livros didáticos, mesmo com algumas ressalvas, abordam a temática. Os docentes observaram tais mudanças, mas chamam atenção sobre a forma como ainda se prioriza a história europeia nesses manuais didáticos. Uma das questões colocadas pelos professores como entrave para suas abordagens acerca da temática encontra-se na falta de formação continuada voltada para a implementação da referida Lei e suas determinações.

2021
Descrição
  • BARBARA MARIA MARQUES
  • PARA ALÉM DO CONFLITO E DA VIOLÊNCIA PELA TERRA: AS EXPERIÊNCIAS DE VIDA DE TRABALHADORES RURAIS EM XINGUARA

  • Data: 15/12/2021
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa é abordar diferentes experiências de vida de migrantes que chegaram em Xinguara, Pará, durante os anos 70 e 80, além daquelas envolvidas no conflito violento durante a luta pela terra. Para tanto, foram analisadas as memórias dos migrantes manifestadas nas narrativas orais, as memórias manifestadas nos escritos memorialistas e nos vídeos comemorativos do aniversário da cidade nos anos de 2015 e de 2019. As fontes orais foram transformadas em fontes históricas por meio da metodologia da história oral. A prática metodológica desta pesquisa se debruça sobre  o ato narrativo dos documentos, pois durante o trabalho com as fontes históricas interpretei e analisei o relato de acontecimentos que são a comunicação das experiências de vida dos migrantes (formas de pensar, idealizações, interpretações, caracterizações da realidade, ações diárias e diversos modos de fazer do cotidiano) que em seguida foi transformado em narrativa histórica. Ao longo da pesquisa discuto que as memórias dos migrantes e suas experiências de vida refletem imediatamente ou se entrelaçam a violência durante a luta pela terra, e se conectam e interagem com diferentes meios de lembrar este tipo de violência, permitindo concluir que há em Xinguara a construção de uma identidade individual e coletiva, que mantem uma relação direta ou indireta com atos violentos devido aos conflitos de terra na região. Discuto também, que as memórias dos migrantes, as experiências de vida expressas pelas memórias e os usos das memórias dos migrantes, manifestaram formas de pensar e idealizações sobre a natureza e sobre próprios homens que ocuparam as terras de Xinguara, conectando-se a uma teia cultural que compõe diferentes sujeitos externos a Amazônia, que produzem pensamentos parciais sobre a região. Numa outra dimensão, analiso e discuto que as memórias dos migrantes expressaram experiências de vida marcadas por uma relação intrínseca entre o trabalho e a vida num ambiente novo cheio de desafios. Um movimento ativo permeado pela dor física e por sentimentos como angústia, medo e amizade, além de valores dos locais dos lugares de origem, saberes novos e antigo com o objetivo de “vencer na vida”.  Apesar da memória da violência durante a luta pela terra ganhar espaço nos seus relatos e apesar dos silêncios das suas memórias, discuto que eles são capazes de lembrar e expressar suas experiências de vida além daquelas marcadas pela violência e além daquelas que valorizam o progresso e desenvolvimento da cidade. As experiências, que se constituem e ganham significados por meio da memória, apresentam esses sujeitos agindo a fim de atender suas necessidades e expectativas enquanto recomeçavam suas vidas em Xinguara.

SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação (CTIC) - (94) 2101-5945 | Copyright © 2006-2024 - UNIFESSPA - sigaa-docker